Tesouro Direto ou Simplesmente Títulos Públicos – O Melhor da Renda Fixa

Tempo de leitura: 8 minutos

Tesouro Direto ou Títulos Públicos, o santo graal dos produtos de investimentos aqui no Brasil. Um dos produtos financeiros mais procurado pelos pequenos investidores e indicado por grandes educadores financeiros como Gustavo Cerbasi  e Rafael Seabra. Já falamos aqui sobre o tesouro direto várias vezes. Mas o que o torna tão atrativo? Vamos aos fatos:

Tesouro Direto, o que é ?

O Tesouro Direto é um programa de renda fixa, desenvolvido pelo Tesouro Nacional, em parceria com a BM&FBOVESPA, de venda de títulos públicos a pessoa física. O que nos leva a concluir então que, o produto de investimento na verdade são Títulos Públicos.

E o que são Títulos Públicos?

Em linguagem simples, títulos públicos ou títulos da dívida pública é a forma que o governo encontrou de “pedir” dinheiro emprestado a uma pessoa física ou jurídica. Ao comprar um título público, você está emprestando dinheiro ao governo. Quanto mais o governo precisar de dinheiro, mais elevados serão os juros oferecidos para os investidores. Então, você ganhará os juros contratados, que pode ser pré ou pós-fixados, até seu vencimento ou enquanto estiver com eles.

Em conversa com amigos, parentes e afins do assunto, sempre me perguntam, “mas isso é seguro?” Vamos lá, vamos comparar com o mais famoso, conhecido e conservador produto de investimento dos brasileiros, a grande e majestosa “Caderneta de Poupança”.

Para começar, sendo objetivo e direto, qual o risco da poupança? Basicamente, o risco da poupança é o de o banco (onde está o seu dinheiro) “quebrar”. E o risco do Tesouro Direto? Basicamente, o risco do Tesouro Direto é o de o Brasil(país) quebrar, ou o governo “boicotar” os investidores. O risco é tão baixo, senão menor, que o risco da poupança.

Sempre noto certo medo das pessoas quando se fala em tesouro direto, títulos públicos ou coisa do tipo. Um fato que acho interessante é a falta de divulgação por parte do governo, o que o deixa desconhecido, sem atratividade. Já vi um gerente de banco que não sabia o que era título publicou ou tesouro direto.

Uma grande vantagem do Tesouro Direto é da possibilidade de investimentos com baixíssimo valor, se comparado a outros produtos como o CDB ou Debêntures. Hoje o governo possibilita a compra de até um décimo do valor de um título, possibilitando investimentos com menos de R$100,00, bastando estar cadastrado em um agente de custódia ou corretora de valores, onde vimos como escolher um aqui e como se cadastrar em um aqui.

Outra boa vantagem em relação a outros produtos de investimentos são os baixíssimos custos de taxas de administração por parte das corretoras, em alguns casos até nem existe, como é o caso da corretora que me cadastrei, que não cobra nada pelo tesouro direto e ainda é um agente integrado.

Uma pequena desvantagem para quem já está acostumado a investir, de forma conveniente na poupança é o de escolher entre os diversos títulos disponíveis, o tipo que mais é adequado com seu objetivo. Outra desvantagens é o de ter que fazer transferências mensais para a corretora, lhe custando um valor. No meu caso, eu não pago pela transferência por um acordo que fiz com meu banco, tenho direito a duas transferências mensais. É incrível o poder que tem uma negociação!

Rentabilidade

Para entendermos bem o atrativo da rentabilidade exercido pelo tesouro direto, vamos comparar novamente com a caderneta de poupança.

Como todos sabem, a poupança rende 0,5% +T.R.(Taxa Referencial)  ao mês ou 6,00% ao ano, desde que a SELIC(taxa básica de juros da economia) esteja acima dos 7,5% ao ano. Caso contrário, se a SELIC for igual ou inferior a 7,5% ao ano, a poupança rende 75% da SELIC + T.R. ao mês. No caso de hoje, Março de 2014 a SELIC está em 11% ao ano, logo a poupança está rendendo 6,00% ao ano. Você pode acompanhar a taxa SELIC no link do banco central: http://www.bcb.gov.br/htms/selic/selicdia.asp

Para entender a rentabilidade dos títulos públicos segue um pequeno resumo sobre os principais títulos negociados, cada um com sua particularidade:

Tesouro SELIC – Antes chamado de Letra Financeira do Tesouro (LFT): Título pós-fixado totalmente atrelado a SELIC, acompanha a taxa básica de juros da economia. É considerado o título mais conservador e de baixíssimo risco. É um ótimo negócio para investidores extremamente conservadores. Em dados de Março de 2014. Está rendendo 11,00% ao ano contra 6,00% ao ano da poupança.

Tesouro Prefixado – Antes chamado de Letras do Tesouro Nacional (LTN): Título pré-fixado, tem sua rentabilidade definida no momento da sua compra, ou seja, se o investidor mantiver esse título até o vencimento, receberá exatamente o que investiu mais a rentabilidade determinada pela taxa da época da compra. Porém existe um pequeno risco com esse título, se a SELIC subir, esse título perderá valor, não quer dizer que você perderá dinheiro, apenas que se você vender seu título antecipadamente, ele valerá menos que o que está disponível no mercado. Do mesmo modo, se a taxa Selic cair, seu valor aumentará, e caso você faça uma venda antecipada, pode até lucrar mais que os juros contratado, para saber mais, clique aqui. Mas pode ser um bom negócio para quem se sentir bem com a taxa contratada até o vencimento. Normalmente sua rentabilidade é maior que a taxa SELIC (11,00%), que no caso hoje, Março de 2014, temos título de 12,52% e 12,73% ao ano contra 6,00% ao ano da poupança.

Tesouro Prefixado com Juros Semestrais – Antes chamada de Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F): Título pré-fixado, muito parecido com a LTN, à diferença é que seu rendimento é pago semestralmente, interessante para quem tem como objetivo obter renda a partir do dinheiro investido. Assim como a LTN, seu rendimento costuma ser um pouco acima da SELIC para se tornar um atrativo, porém, também com a mesma pequena desvantagem de perder valor caso a SELIC venha a subir. Do mesmo modo, se a taxa Selic cair, seu valor aumentará, e caso você faça uma venda antecipada, pode até lucrar mais que os juros contratado, para saber mais, clique aqui. Sua rentabilidade hoje, Março de 2014 está um pouco acima da SELIC (11,00%), 12,92% ao ano contra 6,00% ao ano da poupança, já deu pra notar o quanto atrativo é o tesouro direto.

Tesouro IPCA com Juros Semestrais – Antes chamada de Notas do Tesouro Nacional série B (NTN-B): Título pós-fixado, cuja rentabilidade acompanha a variação do IPC-A (principal índice de inflação do Brasil, medido pelo IBGE), com o acréscimo de juros estabelecidos no momento da compra (exemplo: IPCA + 5% ao ano). Assim como a NTN-F, seu rendimento é pago semestralmente deixando para o vencimento apenas a ultima parcela de juros mais o valor investido. É considerado um dos títulos mais conservadores, principalmente pelo fato de livrar o investidor da inflação, deixando o dinheiro rendendo juros real. Se levarmos em consideração que a previsão da inflação pela Anbima é de 6,20% em 2014 e somarmos a uma taxa de mais ou menos 6,72% de juros estabelecidos no ato da compra, concluímos que hoje, Março de 2014, esse título estaria rendendo 12,92% ao ano contra 6,00% da poupança. Mais que o dobro da poupança. Ainda resta alguma dúvida que o tesouro direto é melhor que a poupança?

Nota do Tesouro Nacional série C (NTN-C) (NÃO MAIS NEGOCIADA): Título idêntico a NTN-B, porém sua rentabilidade acompanha o IGP-M (índice de inflação medido pela Fundação Getúlio Vargas) e não o IPC-A.

Tesouro IPCA – Antes chamada de Nota do Tesouro Nacional série B Principal (NTN-B Principal): Também um título idêntico ao NTN-B, porém sem o pagamento de rendimento semestral. Toda rentabilidade é paga junto com o valor investido no vencimento do título ou no caso do investidor preferir vender antes do seu vencimento. Considerado também um dos mais conversadores pelos mesmos motivos dos títulos NTN-B.

Para acompanhar as taxas e preços dos títulos sempre atualizados, acesso o link direto do tesouro direto: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-precos-e-taxas-dos-titulos

Conclusão

São muitas as possibilidades para se investir no Tesouro Direto com boas rentabilidades. Outra grande vantagem é que seu rendimento, diferente da poupança não se limita ao seu aniversário mensal, você pode acompanhar o crescimento do seu patrimônio diariamente. Porém uma pequena desvantagem, se comparada à poupança, está na sua liquidez. O tesouro nacional só recompra os títulos nas quartas-feiras, se você vender seu título em uma quinta feira, só receberá seu dinheiro na quarta da próxima semana.

Como podemos ver o Tesouro Direto é uma grande forma de investir, com baixo risco, boa rentabilidade e baixo custo.

Esse produto será o primeiro que vamos investir para montarmos a carteira de ativos do Investidor X. Quando fizermos nosso primeiro investimento, analisaremos os títulos disponíveis para entendermos ainda mais o funcionamento deles e saber qual o melhor para comprar no perfil do investidor.

Referências:

-Livro: Investimentos Inteligentes de Gustavo Cerbasi;

-Site do Tesouro Direto.

Ps: Para quem quer seguir uma boa estratégia em investimentos no Tesouro Direto, recomento fortemente esse curso aqui.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *