Como Ficar Rico: Os 5 Terríveis Erros das Pessoas que Não Enriquecem

Tempo de leitura: 10 minutos

Como ficar rico? Já discutimos alguns pontos fortes aqui no site sobre o que fazer para se tornar rico (ver aqui  e aqui) , como já foi dito, seguiremos um plano para alcançar nossa independência financeira. A educação financeira talvez seja a de longe o maior investimento que alguém pode fazer, seu maior ativo. Sonhar é muito bom, conheço muitas pessoas que sonham com a própria independência, mas desprezam a possibilidade disso acontecer, acham que podem nunca sair da má situação. A falta de planejamento é outro grande vilão da caminhada, e o pior, a falta de execução do plano no caso de ter um.

A seguir vamos listar os 5 terríveis erros das pessoas que continuam pobres e reclamando da vida.

#Como ficar rico – OS 5 TERRÍVEIS ERROS

1 – Falta de Educação ou Falta de Percepção Financeira

Você sabe como funciona um cartão de crédito? Ou como funcionam os juros? O que é um ativo e um passivo? Sabe por que os juros que você paga são tão alto? E como rende a poupança? Se eu uso o dinheiro de alguém, eu devo pagar juro. Até o aluguel de uma casa pode ser considerado juros que o dono do mesmo está ganhando por ter investido nesse ativo.

Dívidas são basicamente juros que se paga ao usar o dinheiro dos outros, porém dívidas nem sempre são ruins desde que se saiba usá-las e não sejam tão altas. Se você pensar como um banqueiro, por exemplo, possuir dívidas pode ser um ótimo negócio, desde que o dinheiro que esteja pegando emprestado lhe renda mais do que os juros que você terá que pagar, é assim que funciona um banco.

Um banco pega dinheiro emprestado das pessoas (através da poupança, conta corrente, CDB’s, etc.) a juros bem baixos, e empresta a outras pessoas a juros bem altos(através de financiamento, empréstimos, etc.). Exemplo, se ele pega dinheiro de alguém que depositou na poupança, o banco terá de pagar a essa pessoa 0,5% ao mês + T.R., porém, ao pegar esse dinheiro a alguém e emprestar a juros de 3% ao mês terá um ganho de 2,5 pontos percentuais ao mês, essa diferença é o chamado SPREAD BANCÁRIO. Um ótimo exemplo de como usar de forma boa uma dívida.

Busque o conhecimento e use-o a seu favor, corra atrás, entenda como funciona o seu cartão de crédito e tire o maior proveito dele. Saiba como funciona um banco, o cheque especial  que é um grande amigo do banco, detém os maiores juros do mercado, não saber usar o cheque especial é assinar a própria degola. Como funciona o mercado financeiro, porque os juros sobem e descem sempre como se fosse uma coisa aleatória. Mantenha o dinheiro no seu bolso

Bancos não são vilões desde que você saiba usar bem seus serviços e saiba negociar com ele. Muitos acham que bancos é apenas o lugar onde se saca o dinheiro do salário e se paga taxas para isso. Use o banco a seu favor. Seu maior vilão no processo de enriquecimento é sua falta de conhecimento financeiro.

Como já tinha dito acima, a educação financeira provavelmente é seu maior aliado na busca do “ouro”.

2 – Quem Despreza Um Tostão Nunca Chega ao Milhão

O brasileiro no geral não liga muito para moedas, já está enraizado essa cultura de ligar apenas para grandes quantidades, isso é fácil perceber e/ou lembrar-se do que acontece sempre conosco. Uma nota de 50 reais ou 5 notas de 10 na carteira? Qual desse fica mais protegido a gastos? É comum você proteger uma nota de 50 reais na carteira, cria-se uma maior resistência na hora de gastar. Porém raramente é dado a mesma importância para 5 notas de 10 reais na carteira, as pessoas não enxergam 50 reais, e sim, 5 notas de 10 reais isoladas, mais fácil de gastar, o valor é menor, a um desprezo em relação ao valor de pequenas notas de dinheiro.

Não é difícil perder 50 centavos por dia em troco, por exemplo. Se calcular, 50 centavos ao dia, a conta sai por 15 reais por mês e 180 por ano, isso mesmo R$180,00 REAIS POR ANO(Cento e oitenta reais), daria para comprar um bom presente de natal.

Vi um ditado uma vez que nunca o esqueci:

“AQUELE QUE DESPREZA 1 TOSTÃO, NUNCA CHEGA AO MILHÃO”

Não estou pregando aqui a “mesquinhice”, só estou dizendo que centavos as vezes fazem a diferença, vou propor, por exemplo, uma experiência que a muito tempo eu vi em um livro(Só é pobre quem quer, Thomas Morgan) e a coloquei em prática.

Você se prontificará de juntar todas as moedas que achar em sua casa, eu disse TODAS. As que você perde no meio da sala, nas gavetas, debaixo do sofá, dentro de copos que você não usa, enfim, procure em todo lugar que você achar que pode ter uma moeda, depois de juntar tudo, conte quanto tem, pelo menos eu, quando fiz essa experiência, fiquei estarrecido, não sabia que tinha tanto dinheiro assim perdido no meio da casa, depois disso desenvolvi a prática de juntar moedas e sempre no final do mês, deposito na minha conta.

Poucos sabem o poder que a moeda tem, é, aquela moeda sem valor que você sempre deixa em cima da mesa quando chega em casa, DINHEIRO PARADO NÃO RENDE NADA.

Sei que a comparação será um pouco “chula”, mas supondo que você quer possuir 1 milhão de reais, se o total de moedas que você achou tiver sido apenas 10 reais (no que se falando em moedas já é uma boa quantia), falta apenas R$999.990,00 reais, tudo depende do ponto de vista. Não desperdice a moedinha sem valor.

3 – Não Negociar ou Não saber Negociar

Outro dia assisti  um documentário sobre Singapura, um país que na sua atual fase, tem apenas 49 anos. É onde há mais concentração de milionários por metro quadrado. Um país onde não existe recursos naturais, onde sua principal fonte de economia vem de serviços. Bem, nesse documentário mostrou um médico brasileiro, cirurgião plástico, que atende, basicamente, milionários. No documentário, o médico afirma que todos, sem exceção, negociam e pedem um desconto na hora de fechar a conta. Já está enraizado na cultura deles o ato de negociar, de pechinchar, de buscar preços mais baixos, de afirmar seus direitos de consumidor.

Aqui no Brasil, é muito diferente dessa realidade. Tantos as pessoas não tem esse hábito de negociar, seja com o que for, como já vi muito inclusive se sentirem comovidos pelos vendedores e até mesmo comprar por pena do vendedor (fato verídico, hehehe).

O ato de negociar está longe da realidade brasileira, um lugar onde a compra por impulso taxa de 80% dos consumidores. Procurar uma boa compra, uma compra onde você procura ganhar. Lembre-se, em qualquer que seja o lugar (o estabelecimento), loja de eletrodomésticos, bancos, autorizadas de carros, investi na pessoa que lhe atende, e isso inclui cursos e técnicas de vendas, fazer você acreditar que realmente precisa daquilo, e que o preço é justo.

Todo lugar onde se vende qualquer coisa, seja pequenas coisas, produtos financeiros, e até imóveis, há sempre a margem de negociação no preço estabelecido. Existe o preço real do produto, a margem de lucro do produto, a margem de comissão do gerente, a margem de comissão do vendedor, e ainda por fim a taxa de negociação. De cara vemos que, se formos direto ao gerente, com um pouco de conversa conseguimos retirar pelo menos 2 margens, a taxa de negociação e a comissão do vendedor.

Uma dica que pode ser útil é mostrar desprezo pelo produto para que o vendedor não perceba o quanto você o quer, mostrar defeito no produto, ver todas as formas de pagamentos. Todas são formas de negociar

4 – Não Ter Um Planejamento Financeiro

Esse é um grande erro das pessoas que reclamam por não ter um lugar ao sol, a falta de planejamento. Já vi muitos amigos e pessoas próximas afirmarem:

“Ah, o que quero é ter uma casinha modesta onde viva bem, um automóvel para que possa viajar de vez em quando, e ter uma vida tranquila!”.

Ótimo, já temos algum objetivo, mas o que está fazendo para conseguir isso? Pela própria cultura da dificuldade, e da falta de fé aonde se quer chegar, da falta de fé de que é possível construir um bom patrimônio, as pessoas desprezam um plano,  não se perguntam o que estão fazendo para se conseguir o que querem. Muitos contam apenas com a previdência social, estão conformadas em passar 35 anos de suas vidas trabalhando e esperando para um salário incompatível com sua própria dignidade.

Uma grande diferença entre os ricos e os pobres é que os ricos sabem fazer planos. São mestres dos seus destinos, sabem onde estão pisando. Em uma outra postagem(ver aqui e ver aqui) fiz um plano para se conseguir minha independência financeira, porém foi um plano apenas idealista, não existe bem um plano de ação, isso ainda faremos de fato, e isso está bem próximo.

Sente-se, pegue papel e caneta, risque, elabore uma caminhada, tome algo como ponto de partida, crie metas, estabeleça objetivos claros e bem definidos, não tenha medo de sonhar alto, é de graça. Se preciso for, peça ajuda, mas não deixe de elaborar um plano simples, objetivo, com metas e prazos.

5 – O Pior de Todos os Erros – Não Por Seu Plano em Prática(caso tenha)

Poucos são os que ainda chegam  a elaborar um plano para se construir um bom patrimônio e alcançar o objetivo de ter a tão aclamada independência financeira. E ainda assim os que ainda conseguem fazer tal proeza se deparam com o pior de todos os erros das pessoas que não conseguem enriquecer:

Não colocam seu plano, tão bem elaborado, em prática.

Não basta ter boas ideias, ter metas, objetivos, sonhos se o mais importante você não o faz, que é a ação. Ação para fazer acontecer o que se deseja, ir atrás, ter motivação para continuar a caminhada.

Já vi amigos que começaram bem, criaram planos, até vi o esforço, o começo, e a ação começar, porém foi rápida a desistência. Ninguém disse que é fácil, requer dedicação, e muita, mas muita disciplina para não sair do foco. Não é por acaso que esse é o pior de todos os erros das pessoas que não conseguem enriquecer, ele é o mais difícil de fazer.

Com esse artigo tentei, da forma mais singela que podia, mostrar algo que possa vir ajudar na caminhada das pessoas que tem o mesmo objetivo que eu, ou até outros. Pois no fundo, esses 5 erros, servem para qualquer área, basta adapta-los. Espero que gostem.

Para você adquirir uma boa carga de conhecimento, sugiro que leia cuidadosamente essa postagem aqui, e siga a risca para não se perder no emaranhado que é a vida sem a independência financeira.

PS: A principal fonte de pesquisa que usei para fazer esse artigo foi o livro “Dinheiro: os segredos de quem tem” do grande autor e educador financeiro Gustavo Cerbasi.

6 Comentários

  1. Igor Bevilaqua

    Excelente texto, muito interessante ver que aos poucos essas falhas tem sumido. Já juntei as moedas aqui de casa e realmente foi surpreendente. Se possível, passa o link da reportagem em cingapura.

    Responder
    1. investidorx

      Obrigado Bruna, Estamos reformulando o site, e em breve voltaremos com força total a dar mais dicas como essas!

      Responder
    1. Investidor X

      Muito Obrigado Jose Eilson, continue acompanhando nosso trabalho, ainda teremos muito a falar!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *